"O budismo não é uma religião nem uma filosofia, mas um meio que consiste em dominar seu espírito afim de alcançar a harmonia e, pela compaixão, oferecê-la aos outros." Henri Cartier-Bresson

Essa frase do grande mestre da fotografia também pode ser usada (tomo essa liberdade) para definir a Fotografia Contemplativa. Não é a toa já que Cartier-Bresson foi o maior fotógrafo do século XX, budista, e mesmo sem saber um precursor da Fotografia Contemplativa. Não é a toa que esse livro me foi dado como presente, assim a harmonia se amplia e se espalha. 

Eu adaptaria dizendo que a fotografia Contemplativa é o meio pelo qual eu busco harmonia, e também uma forma de compartilhar essa harmonia com o mundo. O propósito de fazermos Fotografia Contemplativa não é apenas de encontrarmos a "nossa" harmonia, de vermos a beleza nas coisas simples, mas também de levar isso aos outros, de oferecer algo melhor para o mundo. Não teria sentido fazermos algo apenas para nós mesmos, dentro dessa forma de entender o mundo e a vida. 

A imagem pode conter: atividades ao ar livre
Foto: São Francisco do Sul, SC, 2012, por Yuri Bittar

Referência: O imaginário segundo a natureza, de Henri Cartier-Bresson, editora GG, 2015