inFoco

sfsHarmonia

"O budismo não é uma religião nem uma filosofia, mas um meio que consiste em dominar seu espírito afim de alcançar a harmonia e, pela compaixão, oferecê-la aos outros." Henri Cartier-Bresson


Essa frase do grande mestre da fotografia também pode ser usada (tomo essa liberdade) para definir a Fotografia Contemplativa. Então ficaria assim:

A fotografia Contemplativa não é só fotografia, não é uma religião nem uma filosofia, mas um meio que consiste em dominar seu olhar afim de alcançar a harmonia e oferecê-la aos outros.

Isso não é a toa, já que Cartier-Bresson foi o maior fotógrafo do século XX, budista, e mesmo sem saber um precursor da Fotografia Contemplativa. Não é a toa que esse livro me foi dado como presente, assim a harmonia se amplia e se espalha. 

A fotografia Contemplativa é o meio pelo qual eu busco harmonia, e também uma forma de compartilhar essa harmonia com o mundo. O propósito de fazermos Fotografia Contemplativa não é apenas de encontrarmos a "nossa" harmonia, de vermos a beleza nas coisas simples, mas também de levar isso à outros campos de nossa vida, muito além da fotografia, e também aos outros, captando a beleza dada pelo mundo e a devolvendo para o próprio mundo. Lembrando o significado da palavra beleza:

1. qualidade, propriedade, caráter ou virtude do que é belo; manifestação característica do belo.
2. caráter do ser ou da coisa que desperta sentimento de êxtase, admiração ou prazer através dos sentidos.

Dentro de toda essa concepção, dentro dessa forma de entender o mundo e a vida, não teria sentido fazermos algo apenas para nós mesmos, fotografar apenas por vaidade. A Fotografia Contemplativa propõe fotografa como parte de uma busca por simplicidade e harmonia.

Harmonia:

1. combinação de elementos ligados por uma relação de pertinência, que produz uma sensação agradável e de prazer.
2. ausência de conflitos; paz, concórdia.

Talvez estejamos distantes de conseguir uma harmonia total com o mundo, com as pessoas, mas podemos escolher caminhar na direção dessa harmonia, buscando pertinência, sentido, diminuindo conflitos.

Como a Fotografia Contemplativa ajudaria nisso? Com o exercício de valorizar e admirar o comum, encontrar a beleza no cotidiano, ter prazer nos dias simples, perceber sinais de harmonia quando estes existirem e poder escolher aproveitá-los.

Foto: São Francisco do Sul, SC, 2012, por Yuri Bittar

Referência:

O imaginário segundo a natureza, de Henri Cartier-Bresson, editora GG, 2015

 

Yuri Bittar, por Fabio Uehara

Sobre o autor: Yuri Bittar

Yuri Bittar é designer, fotógrafo e historiador. Atua como designer gráfico, e desenvolve cursos de fotografia, exposições e as saídas Fotocultura, além de pesquisas sobre humanização no ensino da saúde. Através da história oral, da fotografia, da literatura e outros recursos, tem buscado criar projetos mais próximos ao humano e que contribuam para a melhora da qualidade de vida.

Contato: contato@fotocultura.net

Site: http://www.yuribittar.com